Bilionário francês da tecnologia investe em políticas públicas no Brasil

Startup que incentiva a participação popular na melhoria das cidades recebe aporte de r$ 4 milhões.

Uma startup que fiscaliza a qualidade de serviços públicos e incentiva a tomada de decisões do governo com base na participação popular é o primeiro investimento na área de políticas públicas do bilionário americano Pierre Omidyar, fundador da plataforma de comércio eletrônico eBay, no Brasil.

Sediado em São Paulo, o Colab.re vai receber aporte de R$ 4 milhões, capitaneado pelo maior fundo de impacto social do mundo, o Omidyar Network, criado pelo empreendedor da tecnologia e que está situado no Vale do Silício, e também pelo investidor da área de mídias independentes MDIF (Media Development Investment Fund), baseado em Nova Iorque.

O recurso será destinado ao desenvolvimento de novas ferramentas de engajamento para os cidadãos e de inteligência para governos. A startup já trabalha no lançamento ainda este ano de mecanismos tecnológicos de análise da satisfação e do sentimento da população com os serviços e instituições públicas, de dispositivo de avaliação de políticas públicas em tempo real e de sistema de gamificação, que premiará os usuários da rede social que mais contribuírem com a melhoria das cidades.

De acordo com Bruno Aracaty, cofundador da startup, além de permitir o crescimento da empresa, o investimento tem valor simbólico muito importante para os empreendedores brasileiros. “Somos uma empresa que tem como missão transformar os governos e passamos por esse processo de captação de investimento em meio a maior crise dos últimos 20 anos, processo de impeachment, escândalos de corrupção e eleições municipais. Esses fundos internacionais terem acreditado no que estamos fazendo possui um significado especial e só comprova a nossa tese de que não adianta reclamar, é preciso fazer acontecer”, conclui.

O Colab.re fechou o ano passado com 130 clientes ativos, a maioria prefeituras, como Santos e Campinas, em São Paulo, e Niterói, no Rio de Janeiro. Em 2017, a meta é chegar a 200 cidades, estrear a adesão de governos estaduais, e ultrapassar 500 mil usuários cadastrados – três vezes mais que os 150 mil atuais. Para consolidar a liderança no mercado brasileiro de tecnologia cívica, a plataforma também vai ampliar o quadro de colaboradores para 50 pessoas, entre programadores, time comercial e especialistas no atendimento às cidades. Estes são responsáveis por planejamento urbano, gestão dos municípios parceiros e pesquisas de mercado.

O modelo de negócios da empresa consiste no fornecimento de soluções tecnológicas para gestão inteligente das cidades, com foco na solução de demandas e zeladoria urbana. Na web (www.colab.re) e em aplicativos Android e iOS, os cidadãos podem fiscalizar 80 áreas, como focos de mosquitos, calçadas e iluminação, por meio da geolocalização de smartphones e tablets, e de fotos. A partir daí, agentes públicos acompanham em tempo real o painel de monitoramento da plataforma, a fim de mapear reivindicações, gerar números de protocolos para acompanhamento e para mobilizar equipes para solucionar os casos reportados. Há situações em que cidades filtram as informações por regiões, bairros ou ruas com intuito de promover mutirões específicos para combater ocorrências populares.

Outro serviço oferecido pela plataforma é a ferramenta de participação nas tomadas de decisões, ‘Orçamento Colaborativo Digital’. O produto permite que prefeituras promovam consultas sobre temas-chave das cidades pelo aplicativo, a fim de legitimar as prioridades dos investimentos públicos. No ano passado, a Prefeitura de Santos destinou R$ 10 milhões para o orçamento participativo digital, que alcançou mais de 10 mil votos, 32 vezes mais que o modelo tradicional. Já Campinas colocou nas mãos dos habitantes a decisão de investir R$ 1 milhão e o projeto vencedor prevê a implantação de um centro de aprendizado de costura industrial na cidade, para que empreendedores do segmento de confecção tenham a oportunidade de atuar como empregados na indústria do setor, individualmente ou em cooperativas.

O Omidyar Network já operacionalizou U$ 1 bilhão de dólares de investimentos em iniciativas de impacto social pelo mundo, nas áreas de educação, tecnologias emergentes, governança e envolvimento cidadão e direitos de propriedade. Deste montante, U$ 568 milhões foram reservados a iniciativas sem finalidade comercial e U$ 515 milhões com fins lucrativos. O MDIF já destinou U$ 153 milhões para financiar 100 projetos de mídias independentes de 39 países, entre jornais de bairros e multiplataformas, que incentivam a liberdade de expressão. Apesar de o Colab.re não ser um veículo de imprensa, o fundo se sentiu atraído pela transparência e empoderamento que a plataforma promove.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe: