Akna

Brasil não vai se desenvolver sem investimento em tecnologia, diz superintendente do BNDES

Julio Ramundo participou de evento e destacou que o crescimento do País depende de uma agenda de inovação.

Em painel no Fórum Estadão Brasil Competitivo, realizado ontem (6/3) em São Paulo, Julio Ramundo, superintendente da área de indústria de base do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), afirmou que o Brasil não vai se desenvolver se não investir em tecnologia e inovação.

Digitalização da indústria compõe Mapa Estratégico criado para desenvolver setor até 2022

O superintendente ressaltou que os dois temas não têm feito parte do debate nacional, o que é necessário. “Não vai haver desenvolvimento do Brasil sem haver desenvolvimento tecnológico e inovação. Não vai ter ganho de produtividade sem difusão do progresso técnico pela base das empresas brasileiras”, afirma Ramundo, segundo o jornal Estado de São Paulo.

O executivo lembrou que o BNDES vem fazendo sua parte para contribuir nas transformações que ocorrem na sociedade brasileira. De acordo com ele, a agenda de investimentos em inovação começou a ganhar forma nos anos 1990 e, em 2015, resultou a R$ 6 bilhões. “O banco hoje é o maior investidor institucional para empresas de tecnologia”, disse.

Ramundo destacou os incentivos para 100 incubadoras no Brasil e o fundo de “coinvestimento anjo”. O último é um projeto de aportes de R$ 200 mil a R$ 500 mil, onde um investidor e o BNDES capitalizam o mesmo valor. O executivo conta que já recebeu 14 propostas do tipo e mais rodadas devem vir.

“Estamos colocando em marcha mudanças em novos instrumentos para dar vazão ao empreendedorismo tecnológico no Brasil”, disse o superintendente do BNDES. “Inovar dá resultados e não é caro investir”, completa, ao lembrar que os resultados dos investimentos se difundem por diferentes ramos da economia.

Compartilhe: