Mercado de WiFi encolhe no quarto trimestre, mas fecha com resultados positivos em 2016

América Latina registrou declínio de  7,5% no ano, tendo o Chile como único país da região a apresentar crescimento (9,4%); Relatório da IDC indica que padrão 802.11ac estará praticamente obsoleto em 2018.

Combinando a demanda corporativa e residencial, o mercado global de rede local sem fio (WLAN) residencial caiu 0,1% ano-a-ano no quarto trimestre de 2016 (Q416), e aumentou 3,1% no comparado ao trimestre anterior, terminando com receita de US$ 2,43 bilhões. Porém o ano fechou com saldo positivo, segundo o Rastreador WLAN Trimestral WLAN da International Data Corporation (IDC), o qual indica crescimento de 3,1% ano a ano no Q416, para chegar a US$ 1,41 bilhão, e 7,2% para o ano completo de 2016 atingindo US $ 5,4 bilhões.

Vendas de equipamentos para WLAN crescem 5% no mundo, mas sistemas de voz e telepresença mostram queda

Enquanto o crescimento desacelerou no Q416, uma forte demanda por atualizações de rede em todo o mundo juntamente com iniciativas de transformação digital levaram o mercado a um crescimento mais forte do que os 4,2% observados em 2015.

O padrão 802.11ac agora representa 65,6% das unidades de ponto de acesso dependente e 80,9% das receitas geradas pelo setor. Para o ano inteiro de 2016, o padrão 802.11ac representou 63,4% das remessas dependentes de AP e 78,9% das receitas. Segundo o relatório, isso indica que o padrão 802.11n estará praticamente obsoleto até 2018 no segmento corporativo principal.

Enquanto isso, a receita do mercado de consumo de rede sem fio caiu 4,1% em relação ao mesmo período do ano passado, totalizando US $ 1,02 bilhão. Para o ano inteiro, o mercado consumidor de WLAN chegou em US $ 3,98 bilhões, representando uma queda de 2,1% em relação a 2015.

No Q416, o padrão 802.11ac representou apenas 27,6% dos embarques e 56,6% da receita na categoria consumidor. A adoção mais lenta do 802.11ac no segmento de consumidores, juntamente com a erosão dos preços 802.11n é um fator que contribui para a queda nas receitas da WLAN de consumo.

A IDC acredita que esta oscilação é temporária e diz que “os esforços de transformação digital continuam a se concretizar em todo o mundo, o que se traduz em demanda de segmentos emergentes e de projetos de Internet das Coisas”.

Do ponto de vista geográfico, o mercado de WLANs para empresas apresentou maior crescimento na Ásia/Pacífico (excluindo o Japão), que aumentou 22,7% no QT16 e 21,7% no acumulado de 2016. A maior parte do crescimento ocorreu na China (41,1% em base anualizada). O Japão registrou um segundo trimestre consecutivo de crescimento (+ 20,2% no 4T16), encerrando 2016 com um crescimento de 3,4% em relação a 2015. O Oriente Médio e África (MEA) aumentaram 5,9% em termos anualizados no Q416 e 4,1% . O Egito liderou o crescimento do MEA no 4T16, aumentando 94,9% ano a ano. A Europa Ocidental cresceu 2,1% no último trimestre de 2016 e 5,9% no ano inteiro, com a Noruega liderando, com aumento de 30,8% em relação ao ano anterior.

A Europa Central e Oriental (CEE) registou um declínio anualizado moderado de 3,1% no Q416, ao mesmo tempo que aumentou 0,9% em termos anuais em 2016. Já a Hungria registou o maior crescimento na região, aumentando 40,6% Base de ano. A América do Norte recuou 4,3% no trimestre, em grande parte em uma queda de 4,9% nos Estados Unidos durante o período, mas aumentou 4,4% no ano todo. A América Latina registrou um crescimento de 16,0% no Q416, contribuindo para um declínio ano-a-ano de 7,5% em 2016. O Chile foi o único país com crescimento na região, com 9,4% de expansão em relação a igual período do ano anterior.

Compartilhe: