Akna

Dell lança divisão de US$ 1 bi para dar “inteligência” a dispositivos conectados

Batizada de IQT, iniciativa vai integrar todos os recursos da fabricante em uma plataforma que pretende extrair informações estratégicas do ambiente de internet das coisas. Ao apresentar a iniciativa, Michel Dell disse que esta erá a nova era no relacionamento homem-máquina.

Michael Dell, chairman and chief executive officer of Dell Inc.

Uma nova era no relacionamento homem-máquina. Foi desta forma que Michel Dell sintetizou o esforço da Dell Technologies em desenvolver uma plataforma não apenas para conectar, mas principalmente para extrair informações dos dispositivos conectados. A fabricante anunciou nesta terça-feira, 10, iniciativa batizada de IQT (coeficiente de inteligência das coisas), para integrar dispositivos conectados e extrair informação deste ambiente de internet das coisas.

Câmara de IoT conclui plano de ação para desenvolvimento de Internet das Coisas no no Brasil

“A IoT está mudando a forma como vivemos, como as organizações operam e como o mundo funciona”, explica Michael Dell, Chairman e CEO da Dell Technologies, que abriu o evento. “A Dell Technologies está liderando o caminho para nossos clientes com a distribuição de uma nova arquitetura de computação que reúne IoT e inteligência artificial em um ecossistema interdependente, que vai da borda ao núcleo, passando pela nuvem”, completou.

O projeto será coordenado por uma unidade de IOT para a qual a Dell reservou investimento de US$ 1 bilhão. A nova divisão da Internet das Coisas vai promover dispositivos mais inteligentes conectados à Internet para casas, fábricas, carros e eletrodomésticos – todos usando hardware e software da Dell.

O aporte, previsto para os próximos três anos, será feito em pesquisa e desenvolvimento, explicou o CEO Michael Dell, durante evento para a imprensa e analistas na cidade de Nova York, nesta terça-feira. O novo grupo será dirigido por Ray O’Farrell, que também é diretor de tecnologia da VMware.

“A Dell Technologies identificou grandes oportunidades para expansão da IoT no mundo, dado  o seu histórico no mercado de tecnologia de ponta”, explicou O’Farrell. “A divisão de IoT aproveitará a força em toda a família de negócios da Dell Technologies para garantir que oferecemos a solução certa – em combinação com o nosso vasto ecossistema de parceiros – para atender às necessidades dos clientes e ajudá-los a implantar sistemas IoT integrados com maior facilidade”.

Para os mais céticos, que podem considerar o investimento de US$ não muito grande frente às oportunidades desenhadas para a internet das coisas, a Dell informa que suas várias empresas já contribuem com blocos de construção chave, incluindo software de segurança, que podem reforçar o ambiente de dispositivos conectados. Mas eles devem ser unificados de maneiras que façam sentido para os clientes, e a nova divisão deve garantir que isso aconteça.

O Virtustream da Dell, por exemplo, oferece às empresas uma maneira de executar seus próprios centros de dados de nuvem privada, que podem atuar como pontos de processamento e repositórios de dados.

A RSA, outra empresa da Dell que se concentra na segurança cibernética, oferecerá mais monitoramento de segurança e análise de dados para dispositivos onde quer que sejam e sejam eles quais forem. Tais dispositivos incluem sensores incorporados em eletrodomésticos ou em robôs de chão de fábrica, parte do que é chamado de Internet industrial.

Os analistas de segurança preocupam-se com a proliferação de tais bilhões de dispositivos que proporcionam aos hackers mais alvos de ataque. No ano passado, por exemplo, quando os hackers infectaram dispositivos domésticos conectados que estavam incorretamente protegidos e conseguiram derrubar muitos sites populares da Internet.

No evento, vários executivos enfatizaram a necessidade de colocar o poder de computação em dispositivos locais, incluindo carros inteligentes, para permitir uma resposta rápida a eventos imprevistos.

Essa visão de mundo em que o processamento e armazenamento local de dados se mistura com os centros de dados da computação em nuvem centralizada também foi apontado por Michel Dell como uma nova tendência, como um novo ciclo depois da centralização nos mainframes, a descentralização do ambiente clientes/servidor, uma nova centralização na computação em nuvem e agora a próxima onda no padrão de processamento.

“Alguns aplicativos não podem esperar vários segundos para conversar com uma nuvem pública, mas precisam ser computados localmente”, disse O’Farrell.

Jeremy Burton, diretor de marketing da Dell, descreveu alguns projetos da Dell que deveriam reforçar esse negócio. O Projeto Nautilus, por exemplo, é um software que permite o processamento de fluxos de dados em rápida mudança de vários dispositivos.

O anúncio da Dell ocorre em um momento em que todos os fornecedores de tecnologia tentam aumentar sua Internet de negócios relacionados a coisas. Microsoft, Amazon e Google empurram seus centros públicos de dados em nuvem para processar e armazenar dados gerados por dispositivos no campo.

América Latina

Para os jornalistas latino americanos, Diego Majdalani, presidente da área Comercial da Dell América Latina, explicou que o objetivo da empresa na visão de Michael Dell é ser uma provedora end-to-end. No entanto, reconhece que no mercado de IoT apenas alguma grandes consultorias tem condições de atender desde da definição do modelo de negócio, até a implementação da tecnologia e o serviço. “A EMC é uma delas, pois já trabalhava em projetos de consultoria para grandes companhias antes de compra pela Dell”, acrescenta

Disse que a ideia é trabalhar também com parceiros que tenham expertise na área de arquitetura tecnológica e aqueles focados em deployment de serviços. “É impossível trabalhar sozinho num mercado onde existem mais de 400 plataformas diferentes”, disse.

Majdalani reconhece as dificuldades de infraestrutura da região, mas de forma otimista lembrou que os parcos recursos permitiram aos países desenvolverem um ambiente tecnológico que acompanha o restante do mundo e defendeu que internet das coisas só tende a acelerar este desenvolvimento.

A jornalista viajou a Nova York a convite da Dell

 

Compartilhe: