Akna

DHL e Accenture começam a estudar uso de blockchain na logística de medicamentos

Prova de conceito demonstrou com sucesso rastreio e acompanhamento de produtos farmacêuticos do fabricante até o consumidor.

A empresa de logística DHL e a Accenture, consultoria especializada em tecnologia, estão estudando implementar blockchain na indústria farmacêutica, na intenção de rastrear medicamentos do ponto de origem até o consumidor e impedir adulteração e erros. A intenção é reduzir o risco de falsificações e salvar cerca de um milhão de vidas perdidas no mundo, de acordo com dados da Interpol.

Artigo: Blockchain e a transparência na publicidade digital

BBVA e Indra realizam empréstimo corporativo em blockchain a nível mundial

As duas empresas criaram um protótipo de serialização blockchain em seis regiões geográficas para monitorar produtos farmacêuticos em toda a cadeia de suprimentos. O registro de monitoramentos desses medicamentos pode ser compartilhado com os interessados no processo, incluindo fabricantes, centros de distribuição, distribuidores, farmácias, hospitais e médicos. Simulações em laboratório mostram que a tecnologia de blockchain pode lidar com mais de sete bilhões de números de série únicos e 1,5 mil transações por segundo.

Utilizar um registro único, seguro e permanente, permitirá à indústria alcançar padrões de segurança mais altos – da fábrica ao paciente – com um custo muito menor, segundo a Accenture. Essa é uma das muitas oportunidades que o blockchain pode oferecer para a reestruturação de processos de negócios enquanto contribui para a redução de seus custos e complexidade.

A DHL também estuda usar o blockchain no gerenciamento de ativos para melhorar a transparência e rastreabilidade e para automatizar processos comerciais com os “contratos inteligentes” (“smart contract”, em inglês), o que facilita e verifica o desempenho dos contratos em serviços terceirizados.

Segundo a DHL, o potencial para a tecnologia blockchain na logística é significativo. No entanto, ir dos conceitos e testes-piloto à implementação real de soluções viáveis vai precisar que a tecnologia seja desenvolvida em mais profundidade, além de haver necessidade de uma transformação organizacional e desejo de colaboração entre todos os envolvidos. O sucesso dependerá de todas as partes trabalharem juntas para transformar processos herdados e adotar em conjunto novas maneiras de gerar valor logístico, afirma a DHL.

Compartilhe: