Operadoras globais apresentam estratégias para o 5G

25 empresas já anunciaram testes em laboratório da tecnologia. Expectativa é lançamento comercial apenas em 2020.

5g1Apesar da constante onda de notícias sobre o 5G, a indústria de telecomunicações não acredita que seu uso comercial seja explorado antes de 2020. Entretanto, o desenvolvimento, estudos e teste da tecnologia de conexão estão a pleno vapor e, durante conferência no Mobile World Congress, em Barcelona, 25 operadoras globais anunciaram testes do 5G em laboratório. No evento, as operadoras também debateram sobre suas estratégias no desenvolvimento da tecnologia.

Brasil e Europa vão cooperar no desenvolvimento do 5G

Samsung desvenda portfólio de produtos 5G

No caso da China Mobile, a diretora geral da operadora, Wang Xiaoyun, diz que é necessário estabelecer um ecossistema global da indústria. Para ela, isso é fundamental para trazer parceiros verticais em muitas indústrias. Hoje, a China Mobile já conta com 98 parceiros em seu centro de inovação 5G.

Além disso, Wang comenta que a operadora tem trabalhado para desenvolver um padrão unido 5G e já faz ensaios para validar as tecnologias, em uma primeira fase. A próxima é lançar os testes de validação em 2018, e a versão comercial em 2020.

Já a norte-americana AT&T tem realizados testes para obter feedback de usuários, tanto consumidores quanto empresários, para validar a tecnologia em várias aplicações, explica Gordon Mansfield, vice-presidente de design de RAN e dispositivos da operadora.

Luke Ibbetson, diretor da britânica Vodafone, diz que a indústria está começando a ver um roteiro claro do 5G, o que é encorajador. “Temos de nos manter alinhados para desenvolve-lo o mais rápido possível e resistir a qualquer tentativa de fragmentação, o que nos retardará a alcançar nossos objetivos”, aconselha.

Em relação à implantação real, Takehiro Nakamura, vice-presidente da operadora japonesa NTT Docomo, diz que a companhia discute a melhor forma de implantar o 5G, visto que uma implantação nacional até 2020 seria difícil. O foco está nas áreas onde o maior desempenho é mais necessário e em torno das instalações olímpicas, já que 2020 é o ano dos Jogos Olímpicos de Verão em Tóquio.

A expectativa da NTT Docomo é expandir gradualmente a cobertura após 2020, dependendo da disponibilidade de aparelhos e acesso a bandas de espectros. Segundo Nakamura, a operadora se concentrará em aprimorar a banda larga móvel nesta primeira fase, já que sua rede LTE atualmente é usada para serviços de Internet das Coisas. A expectativa é que um LTE mais avançado possa oferecer suporte a serviços de comunicação massivos para máquinas antes do surgimento do 5G.

Compartilhe:

Post Comment