Akna

Reino Unido publica guia com princípios básicos de segurança para carros conectados

Governo britânico que evitar que carros autônomos sejam atacados por hackers, roubando dados de seus donos ou que estes assumam o controle da máquina.

O Reino Unido lançou um guia com os princípios básicos de cibersegurança para veículos conectados e autônomos. Em comunicado, o governo do país diz que a medida em que os carros se tornam mais inteligentes, é preciso que a indústria automobilística se conscientize da necessidade de se tornar mais segura.

Baidu e Microsoft unem forças para avançar em carros com direção autônoma

A principal preocupação do Reino Unido é a de que os veículos inteligentes sejam atacados por hackers e que estes tenham acesso a seus dados pessoais, roubem veículos que usam o sistema de entrada sem chaves ou tomem o controle do carro, o que pode levar a tragédias nas ruas.

O ministro dos Transportes, Martin John Callanan, explica que é importante estabelecer proteções mínimas para o cidadão já que os carros conectados se tornam mais comuns nas estradas britânicas. “É essencial que toda a cadeia produtiva, incluindo designers e engenheiros, sigam um conjunto de diretrizes que suportem esta indústria global”, diz.

Entre os requisitos mais importantes do guia, está a garantia de que o veículo seja capaz de suportar um ataque cibernético, assegurando que os dados do usuário não corram perigo e que as empresas garantam a opção de eliminar e desvincular estas informações do sistema do veículo.

Os fabricantes serão obrigados a avaliar os potenciais riscos dos veículos inteligentes, colocando as companhias como responsáveis por administrar o software do sistema e garantir sua segurança durante toda a vida útil.

“As medidas a serem tomadas asseguram a proteção de veículos modernos para os consumidores se as tecnologias falharem”, diz o Canallan. O propósito deste regulamento, acrescentou, é “deixar florescer a inovação e garantir que a próxima onda de tecnologia seja concebida e operada com segurança no Reino Unido.”

Compartilhe: