Akna

Nova fase do Plano Nacional de IoT estuda o que a IoT pode fazer em cada setor escolhido

Setores de Cidades, Saúde, Agronegócio e Indústria já foram anunciados como o foco das políticas públicas.

Durante o Painel Telebrasil 2017, realizado ontem (19/9) em Brasília (DF), as organizações envolvidas no estudo técnico “Internet das Coisas: Um Plano de Ação para o Brasil” divulgaram novos resultados da pesquisa. Com as quatros áreas de prioridade já identificadas (Cidades, Saúde, Agronegócio e Indústria), os analistas agora estudam os fatores transversais destas verticais, ou seja, em como capital humano; inovação e inserção internacional; ambiente regulatório, segurança e privacidade; e infraestrutura de conectividade e interoperabilidade podem contribuir para evolução de IoT.

CPqD cria plataforma aberta para o desenvolvimento de aplicações de IoT

O estudo é desenvolvido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o consórcio liderado pela McKinsey & Company, com a participação da Fundação CPqD e do escritório de advocacia Pereira Neto | Macedo e servirá de base para o Plano Nacional de IoT. Na etapa atual, estão previstos a elaboração de uma visão geral e os objetivos estratégicos para implementação de políticas voltadas à adoção da tecnologia para cada frente prioritária e o desenvolvimento de um Plano de Ação para o período 2018-2022.

Na frente de atuação para Cidades, o foco de aprofundamento do estudo é a viabilização de planos de IoT para municípios de diferentes perfis. A intenção é aperfeiçoar a mobilidade, a segurança pública, o uso dos recursos e a inovação. Para a Saúde, a pesquisa explora como viabilizar a adoção de Internet das Coisas por hospitais e unidades de atendimento e monitoramento remoto de pacientes, a fim de melhorar a efetividade dos tratamentos.

No segmento do Agronegócio, o estudo se aprofunda na compreensão de como promover IoT para impulsionar a produção das principais culturas agrícolas e da pecuária, bem como o uso eficiente dos recursos naturais e do maquinário. Por fim, o foco de aprofundamento de IoT para a Indústria é construção de uma visão geral de oportunidades de aplicação da tecnologia para fomentar o desenvolvimento do setor. No setor, a expectativa é que a tecnologia traga flexibilidade aos processos industriais e a integração e cooperação nas cadeias de fornecedores de bens.

Compartilhe: